Todo dia, David Levithan

Resenhas

Título original: Every Day             Autor: David Levithan
Publicação: 2013 (BRA)                 Editora: Galera Record
Gênero: ficção, YA                            Avaliação: 4 de 5 estrelas
Páginas: 280                                      Onde comprar? Buscapé | Extra | SaraivaSubmarino |

todo dia

“É um erro considerar o corpo um recipiente. Ele é tão ativo quanto qualquer mente, quanto qualquer alma. E quanto mais você se entrega a ele, mais difícil será a sua vida.”

Nosso protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.

Sabe aquele livro que está há séculos na sua estante e quando você finalmente resolve tirá-lo de lá e começa a leitura você pensa: “OMG. Por que eu demorei tanto para pegar esse livro”? Esse foi o sentimento que tive com Todo dia, do autor que é puro amor, David Levithan.
A leva uma vida um tanto inusitada, afinal ele muda de corpo todos os dias e ele nunca é a mesma pessoa duas vezes. Só isso já faz a gente pensar sobre a brevidade da nossa vida. Quer dizer, pelo menos eu refleti muito.

“Se tem uma coisa que aprendi, é isso: todos nós queremos que tudo fique bem. Nem mesmo desejamos que as coisas sejam fantásticas, maravilhosas ou extraordinárias. Satisfeitos, aceitamos o bem, porque, na maior parte do tempo, bem é o suficiente.”

Em alguns momentos durante a leitura eu fiquei com muita raiva do A, porque eu achava que ele estava sendo muito egoísta querendo viver a vida dele e não levando em consideração a vida da pessoa em que ele estava. Mas aí eu pensava na situação dele e poxa… Ele não tem uma vida só dele. Já pensou você ter que viver todo dia a vida de outra pessoa sem ter a sua própria? Quase um parasita, totalmente dependente de outro ser.
Algumas das vidas pelas quais A passou me deixaram realmente emocionada. E aí vem outro ponto que me fez refletir bastante: como nós passamos nossos dias, um após o outro, sem reparar nas pessoas ao nosso redor, nos detalhes, em nós mesmos. Nós esquecemos de dar valor às pequenas coisas que acontecem e nos cercam.

“Na minha experiência, desejo é desejo, amor é amor. Nunca me apaixonei por um gênero. Apaixonei-me por indivíduos. Sei que é difícil as pessoas fazerem isso, mas não entendo por que é tão complicado, quando é tão óbvio.”

Eu já li outros dois livros escrito pelo David Levithan, Garoto encontra garoto e Nick & Norah: uma noite de amor e música, esse último escrito em parceria com a autora Rachel Cohn, e Todo dia segue o mesmo estilo leve e fluido que notei nos outros dois livros, o que torna a leitura super fácil e rápida.
Sem contar a forma como o autor sempre insere, de alguma forma, o amor independente de gênero, raça, ou qualquer outra coisa. A citação acima é uma das mais lindas e verdadeiras que eu já li. Eu sou apaixonada pela maneira como o Levithan fala do amor e gosto do fato dele fazer isso sempre. <3
Livro muito bem recomendado! Em agosto, saiu nos Estados Unidos o livro Another Day, que é o ponto de vista da Rihannon. Ainda não tem previsão de lançamento aqui no Brasil.

“Queria que o amor conquistasse tudo. Mas o amor não conquista tudo. Ele não pode fazer nada sozinho. Ele depende de nós para conquistar em seu nome.”

ME ACOMPANHE NAS REDES SOCIAIS!

FACEBOOK  TWITTER  INSTAGRAM

Previous Story
Next Story

You Might Also Like

  • Nádia Tamanaha

    Eu amei muito Todo Dia quando li. Mas sabe quando amor vai desbotando com o tempo? Então, desbotou tanto que eu nem tenho vontade de ler o segundo livro – que sempre achei desnecessário, aliás. Na verdade, eu acho que enjoei do David Levithan porque ele é um pouco repetitivo, o que obviamente cansa. Mas eu também gosto de como ele aborda o amor livre e a forma como ele escreve. Tomara que um dia meu enjoo passe!
    Beijos

  • Rafaela Gomes

    Eu amei tanto esse livro, mas tanto, que olha nem sei explicar direito, mas acho que foi o modo que ele mostrou diversos pontos que são considerados tabus de maneira leve e descontraída.
    Essa citação sobre o que é amar alguém pra mim também é uma das melhores já feitas, simples e direta.
    E eu não sei se quero ler o Another Day, porque pra mim já basta como foi, não precisa recriar com outro ponto de vista, mesmo que toda história sempre tenha dois lados. Mas quem sabe né?!
    Um beijo.

%d blogueiros gostam disto: