Dancing like Beyoncé

Anything, Música

Como eu falei para vocês há algumas semanas, atualmente estou fazendo aula de dança, modalidade Stiletto. Como é um estilo que começou a ganhar popularidade recentemente, achei legal falar um pouco sobre ele.

Para isso, pedi a ajuda da minha professora me ajudar com alguns detalhes sobre essa dança super estilosa, sexy e elegante. Ela é Vanessa Bonfá, 34 anos, professora há 8 anos, coreógrafa e dançarina profissional, sua formação em Hip Hop Heels aconteceu em Nova Iorque nas academias de dança Broadway Dance Center e Steps on Broadway.

Vanessa Bonfá - arquivo pessoal

Vanessa Bonfá – Foto: arquivo pessoal

O que? Quem? Como?

O Stiletto surgiu na década de 90, com a professora/dançarina Dana Foglia, na Broadway Dance Center (escola de dança renomada em NYC). Atualmente, uma das referências mais famosas para o estilo é a cantora Beyoncé.

No meio artístico/profissional da dança, alguns nomes de destaque são Shirlene Quigley (com quem a Vanessa fez aula), Dana Foglia, Danielle Polanco e Yanis Marshall (linkei todos para um vídeo demonstrativo de cada um).

Esse estilo também pode ser chamado de Hip Hop Heels, mas existe uma pequena diferença entre os dois: no hip hop heels os movimentos de street dance são mais evidentes, enquanto o Stiletto usa mais movimentos do jazz com o street.

Stiletto é para qualquer um? Como é dançar de salto?

Respondendo a primeira pergunta: sim, o Stiletto pode ser praticado por qualquer pessoa, independente de gênero e idade. A única restrição é para pessoas com alguma lesão no joelho ou coluna, pois o uso de salto pode piorar o quadro.

E esse é o único cuidado que os praticantes precisam ter, o uso frequente de salto pode lesionar a coluna e o joelho apenas andando, com a dança a situação é pior, pois os movimentos são de grande intensidade.

Isso não quer dizer que, necessariamente, a pessoa sofrerá alguma lesão dançando. Alguns alunos dançam Stiletto sempre de salto e não apresentam nenhuma lesão.

Varia de pessoa para pessoa, por isso deve ser respeitado o limite de cada aluno. Vanessa aconselha que o salto seja introduzido aos poucos na dança, sem exageros. (Eu mesma ainda não dancei no salto)

Apresentação de Stiletto - Foto: Amigos da Dança

Apresentação de Stiletto – Foto: Amigos da Dança

Quais os benefícios dessa dança?

O Stiletto queima, em média, 600 calorias por aula. Sendo praticada com certa frequência e somada à uma alimentação saudável, pode servir também como um trabalho muscular intenso, pois exercita glúteos, panturrilha, coxas, abdômen, braços e marca a cintura.

Além disso, a sensualidade da dança trabalha o aumento da autoestima. Muitas mulheres começam a pratica-la para aprenderem a se portar como uma diva. E ainda, por causa do salto, o equilíbrio e a postura são reforçados.

Okay, fui convecido/a. O que preciso para começar?

Segundo Vanessa, precisa de muita vontade, pois fisicamente não há nenhuma preparação necessária. Mas ter vontade de aprender e se dedicar faz toda a diferença.

Ela ainda diz que qualquer pessoa é capaz de dançar qualquer estilo, porém cada um tem seu tempo e suas dificuldades. As pessoas ficam muito presas à timidez, mas para dançar é necessário mais do que aprender passos e técnicas, é preciso sentir a música e interpreta-la, colocar energia e sentimento.

Vanessa diz que sente muito mais falta disso do que dos problemas que as pessoas mais reclamam, como não ter coordenação, pois esse tipo de coisa pode ser trabalhado e melhorado..

Geralmente, um aluno começa e desiste depois de um ou dois meses, não tem paciência para aprender. Mas elas precisam entender que é um trabalho demorado. Como professora, ela já viu muita gente evoluir bastante com o tempo. Tudo depende do quanto quer aprender e ter vontade.

“Para se dançar bem, precisa ter paixão pela música, pela dança e vontade e determinação para aprender”

Ah, e ela ainda deixa um recadinho: “Vejo muitas pessoas colocando um salto, dançando axé, funk e dizendo que dança a modalidade. Stiletto é street dance + jazz + salto e sensualidade. Para mim, o que foge disso não é Stiletto.”

As músicas ideias para dançar o estilo é Pop, R&B e Hip Hop. (Eu fiz uma seleção das minhas favoritas nesse post.)

Agora fale você, Karina!

Bom, eu conheci o Stiletto por causa da Thaynara OG e fui pesquisar. Descobri que era um estilo de dança que eu iria adorar, porque junta tudo aquilo que eu ouço na minha playlist (e sempre performei na minha cabeça) com a minha paixão pela dança.

Ser um estilo que ajudaria a aumentar a minha autoestima também foi um fator levado em conta. Mas eu sou muito tímida, apesar de não parecer.

Eu sempre dancei, quase a minha vida toda. Fiz apresentações para muitas pessoas (de dança do ventre, inclusive), tive coreografias e conhecimentos na dança avaliados por uma banca, mas nunca consegui perder a minha timidez, e isso me frustra.

Eu sei dançar, sei a técnica, pego os passos rapidinho, memorizo com facilidade, amo e me divirto. Mas não consigo me entregar completamente, me soltar, existe um bloqueio aí. Toda a sensualidade que o Stiletto exige não existe em mim, na minha dança. Falta uma dose de autoestima nessa área da vida.
Se eu conseguisse reproduzir como eu danço na minha cabeça, nossa, seria ótimo, lindo. Porém, parece ser uma missão impossível.

Tenho esperanças de que um dia eu chegarei nesse ponto… Enquanto isso, danço e me divirto com as minhas limitações sensuais mesmo.

Foto: Washington Times

Eu pedi dicas para a Vanessa para quem já dança e quer se aperfeiçoar fora da sala de aula: “Assistir vídeos e praticar. Dançar, sentir a música se olhando no espelho, quebrar a timidez. Se amar, se admirar, se valorizar, se sentir, ser a Beyoncé!”

É muito difícil para mim dançar me olhando no espelho, já começa por aí.

Você já conheciam o Stiletto? Alguém já dança? Ou algum outro estilo?




ME ACOMPANHE NAS REDES SOCIAIS E ASSINE A NEWSLETTER!

FACEBOOK  TWITTER  INSTAGRAM  SNAPCHAT

Previous Story
Next Story

You Might Also Like

%d blogueiros gostam disto: