Sociedade caga-regra

Anything

O post de hoje é baseado em fatos reais e convenções sociais.

Quando você está solteira: “E a namoradinho?”
Quando você tem 25+ e continua solteira: “Precisa desencalhar ou vai ficar pra titia!”
Quando você tem 25+ e está namorando: “E o noivado?”
Quando você está noiva: “E o casório, quando vai ser?”
Casada: “E o bebê, vai chegar quando?”
Casada com um filho: “Já está planejando o segundo?”

A verdade universal é a seguinte: o mundo seria um lugar melhor se cada um cuidasse da sua vida, mas isso não acontece, existem as tais convenções sociais e é assim que caímos em discussões como essa.
Vivemos em uma sociedade que espera coisas de você. Se for homem irão esperar certas coisas, se for mulher, outras, mas sempre cobrarão algo. E coitado de você se pensar em não seguir o caminho que já lhe foi pré-designado.

Eu, por exemplo, sou constantemente crucificada. Aos 27 anos sou adepta do “antes só do que mal acompanhada”, não tenho planos de casar, muito menos ter filhos, nem agora, nem nunca. Fiz faculdade tarde, estou focada na minha carreira e sem a menor disposição de perder tempo com quem não me acrescenta em nada.
Porém, em reuniões familiares ou com amigos próximos, ao invés de ser motivo de orgulho por ser uma mulher independente e bem resolvida com suas decisões, sou vítima de olhares de pena e vergonha: “Coitadinha… Não tem namorado”.
Se eu decido exteriorizar os meus não-desejos de casar e ter filhos, só faltam me deserdar. Mas não sem tentar me provar o quão errada estou, que só digo isso porque não encontrei alguém ainda, que eu vou mudar e blablablá. Por que é tão difícil aceitar o que o outro escolheu para sua vida? Só porque é diferente do que a sociedade espera?
O mais “engraçado” é que a conversa com meu irmão é diferente. Enquanto desejam que eu procrie a qualquer custo, para ele o conselho é “vê se não vai arrumar filho por aí”. Ele tem 21 anos, mas isso não justifica, apenas reforça a visão machista da nossa sociedade.

A impressão que tenho é que a questão de ter filhos é a que mais incomoda. Na última semana eu fui em um chá de fraldas e teve o dia das mães. Eu trabalho com mulheres que são mães e quando as pessoas cumprimentavam-nas, viravam para mim e comentavam: “Você não é mãe, né? AINDA!” Como se não existisse outra escolha lógica para mim a não ser ter filhos.
Há um tempo uma amiga desabafou no Facebook: Por que sempre que as pessoas vêem um homem comprometido brincando com uma criança tem que soltar o famoso “já está treinando para quando vier os seus”? Sério. Mais uma grande babaquice vomitada pela nossa querida sociedade. Ele não pode estar brincando com elas pelo simples fato de gostar de brincar com as crianças? Isso não significa que eles estão planejando ter um filho.

Também ouvi uma história nesse final de semana que mostra bem como fazer escolhas pelas convenções sociais não é a melhor opção.

Situação: Um casal juntos há 10 anos, com um filho, decidem oficializar a união em um casamento lindíssimo. O casal se separa algumas horas depois, durante a festa. Nenhum dos dois estava sendo fiel ao relacionamento.
Pergunta: Por que então resolveram casar?
Resposta: Convenção social. Afinal, já estavam juntos há tanto tempo, tem um filho envolvido, era o que as famílias esperavam, a escolha óbvia: um casamento.

Eu poderia continuar aqui falando sobre outros padrões impostos, como o que é considerado família etc. Mas o post ficaria maior do que já está. Guardemos o assunto para uma outra publicação.

Dizem que vivemos em uma sociedade livre, mas para mim, ser livre significa poder fazer minhas escolhas independentes das convenções e não ser julgada por isso. A prioridade na nossa vida deveria ser “ser feliz“, independente do que os outros vão achar ou falar da gente.

Previous Story
Next Story

You Might Also Like

  • Jaira Line

    Oi, Ká

    Você me representou nesse post 🙂 0/

    Eu tenho 28 anos, comecei a faculdade tarde (ainda estou cursando) por motivos que não deu pra fazer antes mesmo. sou solteira, não pretendo namorar e nem casar, mas pretendo sim ter filho, ter eu digo adotar, e todo mundo diz que sou doida, e que simplesmente ainda não achei o amor da minha vida, no dia que eu achar vou mudar de ideia.

    Minha irmã mais velha casou tem certa de quase 4 anos e desde então, eu vivo ouvindo (quando vai casar? e ai vai ficar pra titia dos filhos da sua irmã? já ta perto dos 30 tem que se aquietar).

    isso é um saco, pq eu tenho meu trabalho, sou independente e dona da minha vida, ñ quero ficar com alguém simplesmente pra dizer “olha eu tenho um namorado”, minha vida está bem assim e acabou. As vezes me sinto sozinha, mas na questão de amigos e tal, pelo fato da minha vida ser uma loucura.

    Acho ridículo isso de homem poder tudo e a gente só serve pra criar filho e ter marido. Pior são os que acham que eu sou gay pelo fato de nunca ta namorando e nem pensar em ter um marido.

    onde me vejo daqui 10 anos? Formada, arquiteta e publicitaria, com meu filho, mas eu nunca me vi com um marido no meio disso sabe.

    quando eu tinha 15 anos e todas as amigas falavam “ah quero casar e ter filhos”, eu sempre era a “estranha” que dizia “eu quero ter uma carreira e adotar meu filho”.

    Essa questão de filho, eu sofro muito preconceito só pela ideia de não querer parir o guri sabe, de sempre desde novinha querer adotar. a sociedade é preconceituosa com o que para eles não é “normal”.

    Eu concordo com vc, a pessoa tem que ser feliz como ela julgar certo e não com o que os outros julgam.

    eita me empolguei rsrsrs, mas esse assunto eu vivo todo dia, sei bem como vc se sente em relação.

    bjiss, adorei o post viu .

    @JairaLine

    • Pior que é isso mesmo, Jaira… Eu até pensei em entrar nessa questão de ser gay, adoção, mãe solteira, não poder ter filhos, mas eu ia prolongar muuuuuito o post. Então me limitei, mas o espírito era compartilhar de toda e qualquer escolha que fuja aos padrões impostos pela sociedade.
      Eu já quis casar e ter filhos quando era mais nova, mas conforme eu fui ficando mais velha, amadureci e mudei de ideia. Adoro falar pras pessoas que eu sou egoísta demais pra dividir tanto da minha vida com um homem ou uma criança… Geralmente a indignação delas é tão grande que calam a boca. kkkkkkkkkkkkkkk

      Mas é isso aí… Vamos ligar aquele botão do foda-se e ser feliz!!!

  • Nádia Tamanaha

    Eu sou a amiga? Porque lembro desse meu desabafo, hahaha!
    Bom, eu concordo com tudo o que você disse e o pior mesmo é que as cobranças nunca acabam. Eu, como você sabe, tenho namorado e, desde que decidimos morar juntos, escutei muitos “ih, vocês vão acabar não casando” – e sempre querendo dizer que ele vai me enrolar, e nunca o contrário. Eu nem me dou ao trabalho de responder direito, mas acho uma intromissão e uma indelicadeza dizer esse tipo de coisa. Mas as pessoas não ligam, elas só querem cagar regra e julgar suas escolgas, independentemente do contexto e das suas vontades. Lamentável.

    • Sim, Ná!!! Vc é a amiga… Não quis citar o nome por ser algo pessoal. rsrsrsrsrs
      Exatamente, Ná… É muito indelicado e as pessoas não têm a menor noção. Eu só fico imaginando uma situação em que o casal quer ter filhos e não pode, mas td vez tem que lidar com a pergunta de quando vai chegar o bebê. É phoda.

  • Rafaela Gomes

    Quem nunca foi abordado sobre qualquer assunto sobre o tema que atire a primeira pedra. Eu apenas respondo: não, obrigada.
    Nem a minha mãe me pergunta “e os namoradinhos?” por que outra pessoa acha que tem o direito de perguntar? Ah vão lavar uma loucinha.
    Me deixa aqui com meus assuntos que eu tô bem.
    As vezes o melhor a fazer é sorrir e acenar… haahuahauhaua

  • Vivian Oliveira

    Concordo em gênero, número e grau. Assim como o contrário, se a pessoa quer casar e ter 40 filhos, ou não trabalhar ou enfim… o cada um faz devia ser problema da própria pessoa, assim como o tempo que as coisas acontecem. Eu não sou influenciável nesse ponto, mas confesso que as vezes me sinto sim chateada porque talvez fosse “hora de fazer outra coisa”. Mas no fim, a gente tem que fazer o que está afim e quando está afim =)

    Beijo, Ká!

    • Exatamente, Vi! A gente deveria viver de acordo com as nossas escolhas, sem sermos julgados por isso. Mas td mundo tem que cuidar da vida dos outros, né? E muita gente se deixa influenciar pela opinião alheia para agradar outra pessoa que não ela mesma. Aí o resultado disso dificilmente vai ser bom pra ela.

  • Amanda Teles

    Pra mim aqueles que conseguem enxergar e fazer o que realmente querem, apesar de todas essas imposições, está de parabéns!
    Somos criados em cima dessas crenças desde criança que é um desafio nós mesmos não nos cobrarmos, mesmo sabendo que não é aquilo o que queremos pra nós.
    Enfim, concordo contigo, cada um ter que correr atrás da sua felicidade, independente de onde ela esteja… cada pessoa sabe onde está a sua. Vamos tentar parar de julgar as escolhas alheias…

    Beijooo!

%d blogueiros gostam disto: